Inspirações e experiências

Notícias

Como estimular o gosto pela leitura? A experiência do Núcleo de Resende (RJ)

10 de Abril de 2018

Quanto mais a tecnologia avança, maior é a competição pela atenção dos seres humanos. Se adultos estão buscando formas de reverterem esse quadro de vício tecnológico, o que pode-se dizer das crianças? Smartphones, tablets, videogames, computadores e televisão são somente alguns dos estímulos que disputam e demandam a atenção dos pequenos diariamente, ocupando boa parte do tempo livre.

Nesse sentido, não é raro encontrar crianças que não brincam ao ar livre, que não praticam esportes e que não interagem com seus pares para passar todo o tempo disponível com os dedos em uma tela touchscreen. É de imaginar, portanto, que para outras atividades, como a leitura de um livro, o tempo seja ainda mais escasso.

Felizmente, existem iniciativas que trabalham para promover o gosto pelos livros. É o caso do Núcleo da Aliança pela Infância em Resende, município no sul do Rio de Janeiro. Criado em 2008, as “Leituras no parque” têm o objetivo de estimular a paixão pela leitura ainda na primeira infância. A coordenadora do Núcleo, Valdete Asevedo, conta que a ideia é ocupar praças e parques de Resende e cidades no seu entorno para possibilitar um maior contato dos pequenos com o livro físico. 

Os encontros têm como momento principal a contação de histórias. Como professora do curso de pedagogia da Associação Educacional Dom Bosco (AEDB), a coordenadora conta com a participação de alunas voluntárias, que ajudam na realização dos eventos. Nessa hora, Valdete conta que é possível perceber o poder de encantamento que a contação de histórias tem, pois cativa não só as crianças, mas os adultos também.

“Todos estão sempre em torno da gente durante a contação de histórias. Com isso, a gente começa a perceber que não são só as crianças que gostam da história. O adulto também gosta: nós os vemos de boca aberta escutando, esperando o desfecho.”

Além disso, para possibilitar que as crianças e famílias interajam com os livros, o “Leituras no parque” também conta com um momento livre de exploração de obras. “Nós vamos para praças, montamos uma tenda, estendemos panos e uma colcha de retalhos no chão e colocamos uma mala antiga, cheia de livros dentro. O que nós queremos é que as crianças manuseiem o material. Eu falo brincando pras mães que é pra contaminar”, brinca Valdete.

Segundo a coordenadora, um bom incentivo para a continuidade do projeto são os momentos quando todo mundo está lendo: o adulto e a criança, cada um em um canto, interagindo com um livro. “Você olha para os brinquedos do parque ou da praça e os escorregas e balanços estão todos vazios, porque está todo mundo lendo.” 

No final de cada oficina, Valdete conta para as crianças que cada uma que participou pode escolher um livro para levar para casa. Em 2018, o “Leituras no parque” completa 10 anos de atuação. Nesse tempo, a coordenadora estima que foram mais de 15 mil livros de literatura infantil doados. 

“O legal é isso: uma criança que não tinha nem uma revista em casa, nada nem pra folhear, hoje tem um livro de literatura infantil. No final do evento, quando digo que todos que participam ganham um livro, é impressionante! Até parece que estamos distribuindo doces, chocolates ou brinquedos, porque vão todos para cima da caixa, e começamos a ouvir falas como: ‘posso levar um pro meu irmão?’, ‘Posso levar um pro meu amigo que não veio?’”, explica.

Depois de tanto tempo de atuação, a notícia do “Leituras no parque” se espalhou para a região. Valdete conta que muitos de seus alunos do curso de pedagogia são de cidades próximas à Resende, seja de Minas Gerais ou São Paulo. Entretanto, apesar da disseminação da ação por diversas cidades e comunidades, o reconhecimento da cidade de Resende só veio em 2014, quando o Núcleo recebeu o Prêmio Macedo Miranda de Destaque Cultural, da Casa de Cultura de Resende.  

Além do primeiro encontro do ano, que aconteceu no dia 24 de março no Jardim Primavero, em Resende, o Núcleo tem um Plano de Ação para 2018, com o planejamento das próximas ações. A data seguinte do Leitura no Parque é o dia 14 de abril. O evento cultural será realizado em Quatis, no Rio de Janeiro.

Semana Mundial do Brincar

Neste ano, a Semana Mundial do Brincar (SMB) acontecerá entre os dias 20 e 28 de maio, e terá como tema: “Brincar de corpo e alma”. Para participar e conscientizar o maior número de pessoas sobre a importância do brincar, o Núcleo de Resende tem grandes planos.

Tudo irá começar com uma mobilização no Parque das Águas. Segundo Valdete, trata-se de uma passeata, da qual participam crianças e adultos com cartazes explicando porque a brincadeira deve estar no dia a dia da criança. “Tem criança de patinete, de bicicleta, cada uma com uma plaquinha dizendo porque brincar. É uma mobilização que a gente com a sociedade, num movimento de acordar essa brincadeira”.

A programação durante a semana fica a cargo de cada escola. No encerramento, o Núcleo irá unir uma verdadeira força tarefa para ocupar a praça Oliveira Botelho, na parte da cidade antiga. “A praça está arrumadinha, mas não tem público, então essa é uma forma de revitalizar o espaço. Nós vamos organizar ônibus para trazer as crianças das escolas, e eu acredito que vamos ter um público muito grande para o encerramento”.

 

*As fotos dessa matéria são da ação realizada pelo Núcleo Resende no dia 24 de março no Jardim Primavero, em Resende.

Acompanhe nas redes
-Aliança pela Infância - 55 11 3578-5001 - alianca@aliancapelainfancia.org.br